Páginas

13 de jun de 2011

COMO O VINHO...


COMO O VINHO...

Ser insatisfeito sempre foi um dos meus defeitos.

Almejava um sonho, e ao alcançá-lo, a alegria era passageira e extremamente rápida, não me satisfazendo mais com aquilo, desistindo e partindo atrás de uma nova ambição.

Pois bem, há algum tempo passei a ter a sensação que os textos que escrevia estavam monótonos, repetitivos, sempre se voltando as mesmas idéias, e, conseqüentemente, não me traziam o prazer de escrevê-los como de início.

Como sempre, cheguei a refletir se não era hora de parar com essa atividade, e partir em busca de um novo sonho...

Mas, talvez por uma pequena experiência de vida que adquiri com o passar dos anos, fiz uma reflexão maior sobre o assunto.

E, cheguei a uma conclusão que se os meus textos estão repetitivos, monótonos, cansativos, sempre desenvolvendo as mesmas idéias, isso vai acontecer com qualquer outra coisa que venha a realizar, se eu não mudar um pequeno detalhe.

Esse detalhe sou Eu Mesmo!!!

Oras, porque desistir do sonho, se eu mesmo posso buscar novos conhecimentos, novos pensamentos, e novas atitudes, que me possibilitarão ter novas idéias e novas formas de encarar o mundo.

O conhecimento está aí para quem quiser ver, não apenas através dos livros, dos meios de comunicação, da Internet, mas em todos os instantes de nossa vida.

Seja através do convívio com uma criança ou com uma pessoa com uma experiência de vida maior, seja através de uma conversa com uma pessoa com uma condição de vida melhor, ou trocarmos algumas palavras com a mais humilde das pessoas, acredito que sempre teremos lições de vida para aprendermos...

E o conhecimento que podemos adquirir através das lições da vida talvez seja um dos mais enriquecedores, belos e duradouros que possamos ter em nossas vidas.

Portanto, não digo que deixarei de buscar novos sonhos, mas não desistirei tão facilmente daqueles que já atingi, tentando aprimorá-los cada vez mais...

Agindo assim, acredito que eu e aquilo que alcancei passemos a ter um pouco da característica do vinho, que com o passar do tempo cada vez fica melhor.

E, se um dia realmente resolver desistir de algo que alcancei, deixarei, com plena convicção, esse vinho virar vinagre...

Abs.,

Glauco

4 comentários:

Jackie Freitas disse...

Olá Glauco querido!
Muito boa a sua reflexão! Na verdade, estamos sempre refletindo sobre o que podemos melhorar, o ponto em que estamos e para onde queremos ir...
Concordo com você que com o passar do tempo vamos ficando mais "apurados", tal como um bom vinho!
Meu amigo, ontem ainda eu pensava nessas buscas que fazemos e que temos buscado em livros, em escritas, em conselhos...alguma orientação. Mas, se olharmos para as páginas do livro de nossa vida, encontraremos muitas respostas e tudo o que precisamos (como sempre digo) está dentro de nós!
As suas reflexões não estão repetitivas e tampouco cansativas! Elas fazem parte de nossas buscas, dúvidas, encontros e desencontros... O importante é que continuemos no caminho...do bem e seguindo o nosso coração! Acho que você está no caminho certo, sim! Aliás, o seu caminho está cercado por pessoas lindas e maravilhosas... sua família é uma conquista plena e reflexo dessa excelente pessoa que é você!
Grande beijo,
Jackie

Menina das Agulhas disse...

Oi meu amor, bom dia!

Sabe, queria aproveitar essa sua reflexão de hoje e dizer que tanto quanto aguardo nas sextas feiras a presença do Joãozinho, aguardo na segunda esses seus textos "pessoais".

Sei o quanto são importantes esses momentos onde você consegue expor seus sentimentos, pensamentos e assim o quanto podem contribuir com sua busca por novos horizontes...

Também tenho um pouco dessa euforia com algo novo e que logo em seguida parece perder a graça... tento em vários sentidos não abandonar alguma atividade que me dê prazer: sejam meus artesanatos, minhas receitinhas, meus livros e outro dia ainda comentei com você a falta que sinto de ir ao centro e fazer o curso... Essa sensação aumentou depois que, esse ano, a Bia começou a ir de perua à escola, pois muitos dias fico em casa sem conversar e ver pessoas diferentes.
Não devemos abandonar o que nos dá prazer, podemos sim, e acredito que devemos, aumentar as coisas que nos proporcionam esse bem estar. Podemos variar ou mesmo buscar outras opções dentro dessa atividade que nos fazem bem. E, se acaso um dia, essa atividade nos deixe com uma sensação de vazio, podemos também procurar novos horizontes, mas com a certeza de que o vazio está na atividade e não em nós mesmos... que ela pode ter nos oferecido tudo o que tinha para nos oferecer e não nós que desistimos de buscar essa felicidade dentro do que gostamos.

Sinta-se sempre a vontade para refletir e refletir quantas vezes forem necessárias dentro do mesmo assunto ou de outro se for necessário. Busque seus horizontes e que dentro dele você sempre encontre o que te faz feliz. Grite ao mundo o que quer e comemore com ele suas alegrias e conquistas. Diga: chega!!! cansei disso, mas não se arrependa e nem se sinta constrangido se um dia quiser voltar e resgatar o que ficou para trás.

Seja feliz!!!!

Te amo ontem, hoje, amanhã e sempre!!!!

Bjs
Lu

Valéria Braz disse...

Oi Glauco, reflexão amigo, não, vivência, vida, descoberta!
Gosto muito desta frase: "Se continuar fazendo o que sempre fez, vai continuar conseguindo o que sempre conseguiu. Se deseja mudanças na sua vida, comece mudando a você mesmo!"
Essa é nossa mais bela busca, mudar a nós mesmos para ver mudar o que precisamos mudar!
Só não deixe nunca o vinho azedar, beba ele até a última gota, e então abra outra garrafa e recomece....
Beijo no coração

Letitia Morgan disse...

Também penso que, qualquer mudança, prática ou não, tem que vir de nós mesmos, da forma como olhamos o mundo. Do caso concreto que apresenta, parece-me que, a observação e o convívio do dia a dia, se torna muito mais enriquecedor e inspirador, do que apenas os artigos dos jornais e literatura. Porque é a nossa experiência.

Parabéns pelo texto, Glauco! Abs.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...