Páginas

11 de mar de 2010

Saiba como lagartixa híbrida mantém variedade genética

IMPORTANTÍSSIMO:

Cada vez que você lambe um selo, ingere 1/10 de caloria.

(informação extraída do site "WIKIPÉDIA" em 11.03.2010)

NOTÍCIA DO DIA:

Saiba como lagartixa híbrida mantém variedade genética


Há mais de 40 anos, Bill Neaves era um jovem estudante de doutorado, que desvendou o aparecimento de uma espécie assexuada de lagartixa da família Teiidae, composta apenas por fêmeas. Ele descobriu que a lagartixa era um cruzamento entre a fêmea de uma espécie e o macho de outra.

Porém, o que o intrigava por muitos anos era como esta espécie composta apenas por fêmeas podia ser capaz de manter um alto nível de variação genética, uma contribuição para a adaptação evolutiva que normalmente ocorre por meio da reprodução sexuada.

Apesar de se reproduzir sem um parceiro macho, esta espécie de lagartixa tem uma forte presença na natureza. Aracely Lutes, estudante de graduação do Instituto Stowers de Pesquisa Médica, em Kansas City, no estado de Missouri, onde Neaves trabalha, descobriu a peça que faltava no quebra-cabeça. As descobertas foram publicadas na revista "Nature" desta semana.

Em uma espécie de lagartixa de reprodução sexuada, cada lagartixa possui 23 cromossomos por parte da mãe e 23 por parte do pai.

Durante a reprodução na espécie só de fêmeas, Lutes descobriu que os 46 cromossomos da mãe são duplicados, resultando em 92 cromossomos para cada célula-ovo.

Esses cromossomos formam pares com suas cópias idênticas e, após duas divisões celulares, um ovo maduro de 46 cromossomos é produzido.

Uma vez que o cruzamento durante as divisões celulares ocorre somente entre pares de cromossomos idênticos, a lagartixa que se desenvolve a partir do ovo não fertilizado será idêntica à sua mãe.

É importante ressaltar que cada nova lagartixa também é uma réplica da original. Como a lagartixa original era diferente geneticamente, com os cromossomos herdados de duas espécies diferentes, o mesmo acontece com seus descendentes idênticos.

É por isso que esta espécie sobrevive há várias gerações. No entanto, ao contrário das espécies que se reproduzem sexualmente, "estas lagartixas provavelmente não evoluirão para uma espécie mais forte", esclarece Neaves.
Elas "podem se adaptar bem nos desertos do sudoeste [norte-americano], mas quando a próxima era do gelo chegar, é provável que sejam extintas", diz ele.

(informação extraída do site "Folha de São Paulo" em 11.03.2010)

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...