Páginas

10 de dez de 2010

O QUE É VIRTU@L?

O QUE É VIRTU@L?
(autoria desconhecida)



Entrei apressado e com muita fome no restaurante.

Escolhi uma mesa bem afastada do movimento, pois queria aproveitar os poucos minutos de que dispunha naquele dia atribulado para comer e consertar alguns bugs de programação de um sistema que estava desenvolvendo, além de planejar minha viagem de férias, que há tempos não sei o que são.

Pedi um filé de salmão com alcaparras na manteiga, uma salada e um suco de laranja, pois afinal de contas fome é fome, mas regime é regime, né?

Abri meu notebook e levei um susto com aquela voz baixinha atrás de mim:

-Tio, dá um trocado?

- Não tenho, menino.

- Só uma moedinha para comprar um pão.

- Está bem, compro um para você.

Para variar, minha caixa de entrada estava lotada de e-mails. Fico distraído vendo poesias, as formatações lindas, dando risadas com as piadas malucas. Ah! Essa música me leva a Londres e a boas lembranças de tempos idos.

- Tio, pede para colocar margarina e queijo também?

Percebo que o menino tinha ficado ali.

- OK, mas depois me deixe trabalhar, pois estou muito ocupado, tá?

Chega a minha refeição e junto com ela o meu constrangimento. Faço o pedido do menino, e o garçom me pergunta se quero que mande o garoto ir. Meus resquícios de consciência me impedem de dizer. Digo que está tudo bem.

- Deixe-o ficar. Traga o pão e mais uma refeição decente para ele.

Então o menino se sentou à minha frente e perguntou:

- Tio, o que está fazendo?

- Estou lendo uns e-mails.

- O que são e-mails?

- São mensagens eletrônicas mandadas por pessoas via Internet.

Sabia que ele não iria entender nada, mas a título de livrar-me de maiores questionários disse:

- É como se fosse uma carta, só que via Internet.

- Tio, você tem Internet?

- Tenho sim, é essencial no mundo de hoje.

- O que é Internet, tio?

- É um local no computador onde podemos ver e ouvir muitas coisas, notícias, músicas, conhecer pessoas, ler, escrever, sonhar, trabalhar, aprender. Tem tudo no mundo virtual.

- E o que é virtual, tio?

Resolvo dar uma explicação simplificada, novamente na certeza que ele pouco vai entender e vai me liberar para comer minha refeição, sem culpas.

- Virtual é um local que imaginamos algo que não podemos pegar, tocar. É lá que criamos um monte de coisas que gostaríamos de fazer. Criamos nossas fantasias, transforma- mos o mundo em quase como queríamos que fosse.

- Legal isso. Gostei!

- Mocinho, você entendeu o que é virtual?

- Sim, tio, eu também vivo neste mundo virtual.

- Você tem computador?

- Não, mas meu mundo também é desse jeito... Virtual.

Minha mãe fica todo dia fora, só chega muito tarde, quase não a vejo.

Eu fico cuidando do meu irmão pequeno que vive chorando de fome, e eu dou água para ele pensar que é sopa.

Minha irmã mais velha sai todo dia, diz que vai vender o corpo, mas eu não entendo, pois ela sempre volta com o corpo.

Meu pai está na cadeia há muito tempo.

Mas sempre imagino nossa família toda junta em casa, muita comida muitos brinquedos de Natal, e eu indo ao colégio para virar médico um dia.

- Isto não é virtual, tio?

Fechei meu notebook, não antes que as lágrimas caíssem sobre o teclado.

Esperei que o menino terminasse de literalmente 'devorar' o prato dele, paguei a conta e dei o troco para o garoto, que me retribuiu com um dos mais belos e sinceros sorrisos que eu já recebi na vida, e com um 'Brigado tio, você é legal!'.

Ali, naquele instante, tive a maior prova do virtualismo insensato em que vivemos todos os dias, enquanto a realidade cruel rodeia de verdade, e fazemos de conta que não percebemos!

Depois daquele momento, passei a considerar que temos duas opções: a primeira, pararmos para pensar e começarmos a agir para que num futuro próximo o mundo real se aproxime da perfeição do mundo virtual sonhado pelo menino, ou simplesmente continuarmos a fazer de conta que tais problemas não nos atinge.

Ao divulgar esse texto, percebe-se que optei pela primeira opção...

(texto extraído da internet em 10.12.2010)

10 comentários:

Karla Ketylin disse...

Que texto forte Glauco!!!
Nessa época de final de ano que paramos para rever o ano que passou, as coisas que podem ser mudadas em nossas vidas, que possamos parar um pouco e prestar mais atenção a essa realidade cruel que nos rodeia, e teimamos em fazer de conta que não existe!!!!
Que a gente possa enxergar coisas tão óbvias(e fazer algo a respeito) que estão acontecendo ao nosso lado mas que simplesmente não nos damos conta no dia a dia!
Um grande abraço,
Karla

Jackie Freitas disse...

Olá Glauco querido!
Eu já conhecia esse texto e a mensagem dele não apenas nos leva às reflexões como também desperta para o mundo real... Acho que é isso...lembrarmos que mesmo no virtual, ainda assim somos reais e devemos agir como tais e não como criações fantasiosas...
Grande beijo,
Jackie

Telma disse...

Glauco, seu texto é muito real, não tem nada de virtual. Eu mesma conheci, recentemente, uma pequena família (mãe e filho)que vive isso que o seu texto conta.
A forma como o menino comeu biscoitos na minha frente me deixou alarmada: atacou um pote de biscoitos como se nunca mais fosse comer novamente. O pior é que era verdade. Ele não come. A pele está quebradiça, não aprende nada na escola, está se tornando agressivo, cheira mal, não tem amigos...
Estou montando um projeto de ajuda, mas nem sei por onde começar.
Estabeleci uma meta para o ano de 2011: Salvar essa família. Não sei o que vou fazer, mas estou buscando parceiros para me ajudarem a pensar numa estratégia, numa operação salvamento.
Abraços
Telma

CLAUDIA disse...

Amigo Glauco!
Já sabe que chorei!Não é segredo!
Amigo essa sua narração me lembrou,uma coleguinha que minha filha brincava,e que sempre ela estava perguntando,você tem isso,pode me dar,até que um dia minha filha estava comendo um biscoito recheado e ela babou de vontade,mas babou mesmo como um bebê,eu fique tão triste,chorei tanto,pois uns tem tanto e outros nada.
Peguei o carro fui com milha filha no super-mercado e fiz uma compra digna,pedi a minha filha,escolha os biscoitos e assim ela fez.
Eu adotei essa família como a minha,a mãe tem 8 filhos,mora num quarto todo mofado,que chega ser preto,eu não sei vê e ficar de braços cruzados!
Acho que devemos prestar mais atenção na realidade que esta debaixo de nosso nariz,muitas vezes não fazemos por que não queremos enxergar e não enxergando o próximo não conseguimos enxergar DEUS!
Parabéns amigo,me perdoe eu me emocionei demais!
Bjos em seu coração!

Samanta disse...

Olá querido amigo Glauco !!

Eu já conhecia este texto, é muito belo, verdadeiro e emocionante !!
Obrigada por compartilhar conosco esta reflexão.
Um enorme abraço pra você e sua linda família !!

O AMOR ESTÁ NA REDE!!! disse...

Oi, Gluaco! Tudo bem?
Esse texo é mesmo maravilhoso e nos faz ter vontade de chorar também.
É triste ver que, para uns, o mundo virtual é bem mais virtual do que o da internet.
Abs,
Erica

Kassya Mendonça disse...

Ola Glauco,
rsrsr estou atrasada, trabalho demais!
(ainda bem)!
Mas sou manteiga derretida, e toda vez que leio algo assim choro... rsrsrs... meu marido ate perguntou porque do funga funga.
Sim tem muita gente vivendo do virtual, enquanto muitos do poder vivem uma vida bela e bem real.

bjus

Atena disse...

Glauco:
Não conhecia o texto e fiquei emocionada apesar de essa problemática não me ser estranha, pois estou sempre pensando nos excluídos.
lamentavelmente as pessoas que tem condições financeiras de resolver esses problemas são que nem os 3 macacos: não ouço, não vejo, não falo (não faço nada).
Também boa parte das pessoas só vêm isso na época de Natal.
Bom, isso vai demorar para mudar, mas não perco a esperança.
abração

Adriana Helena disse...

Glauco, bom dia amigo!

Que texto emocionante: se você quase não publica textos no seu blog, escolheu um que valeu por todos não publicados até então! Emocionante, comovente, real e profundo demais!

O relato do garotinho com sua família real, mas que ele, como em um passo de mágica, vivia em um mundo virtual é um alerta! Também fico com o coração partido ao ver na minha cidade crianças assim, pedindo por um prato de comida, por uma conversa amiga... é de sangrar o coração. Ajudo na medida do possível, o nosso mundo é muito cruel e se você ajuda uma família e as demais 100 outras que também passam necessidade e precisam de auxílio? Como fazer para conter e ajudar a todos?

Mas o primeiro passo, assim como você, eu dei.. o problema é que não deve apenas ficar em palavras..
Belíssimo texto e reflexão amigo! Valeu o dia!
Abraços e ótima semana!

Arthur Oliveira disse...

Olá Glauco! Não conhecia esse texto... Muito emocionante. Me fez refletir. Podemos ver que o mundo está cheio de problemas e simplesmente fingimos não existir, enquanto existem pessoas em situações muito tristes que veem que na vida nada é virtual.
Espero que muitas pessoas que ainda não perceberam isso, tenham a oportunidade de ler este texto e ter a consciência dos problemas que estão na nossa frente e nós não conseguimos enxergar por não querermos abrir os olhos.

Grande abraço e ótima semana!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...